17 de fevereiro de 2016

Um (dos) livro (s) que me tocou.

Sabe qual vai ser o assunto de Quarta-feira aqui no blog? LIVROS!

Já digo de antemão que não vai ser uma resenha, vai ser algo bem pessoal. Vou falar minha opinião dos livros que já li, dizer o que senti e algumas vezes vou falar o quanto contribuiu pra minha vida.

Vou começar essa categoria falando de um dos livros mais lindos que li na vida. Acho que foi em 2009 que eu tive o primeiro contato com ele, baixei o PDF no meu computador e não consegui mais parar de ler! Em 2011 ganhei a versão impressa do livro “Antes de morrer” da Autora Jenny Downham. Desde então já li umas 8 vezes (e chorei nas oito). Ele é um dos meus favs da estante!

DSC_6714

O livro conta a historia de Tessa, uma adolescente de 16 anos que possui leucemia. A narrativa é tão leve e cativante que transporta a gente pra dentro da história. Tess tem uma lista interessante de coisas pra fazer antes de chegar o dia de partir, até ai tudo bem, é algo que a gente encontra em outros livros. Mas o que mais me prendeu na historia é a relação que ela tem com a família dela, principalmente com o irmão, a relação dos dois é tão única, linda e confusa ao mesmo tempo. Esse livro me fez e faz pensar em cada momento da vida, em aproveitar esses fragmentos únicos que temos a honra de viver.

antesdemorrer-jenny-downham01

Tessa nos faz lembrar o valor da amizade, da família e do amor. Nos faz lembrar que a vida é linda e única, que os momentos passam e não voltam mais. Parece óbvio, mas as vezes a gente vai empurrando o nosso dia e a nossa semana sem aproveitar e sem agradecer. Como é dito no livro “Não há momento melhor que o presente…”, senti que mudei muitas atitudes no meu dia a dia, mesmo fazendo tanto tempo que conheço a história, ela me afeta ainda.

Vou deixar uma das minhas partes favoritas do livro pra quem quiser ler! Espero que vocês tenham gostado e se resolverem ler o livro, contem-me o que achou depois!

antesdemorrer-jenny-downham03

 

“Feitiços para afastar a morte.

Peça à sua melhor amiga para ler as melhores partes da revista que estiver lendo: moda, fofocas. Diga-lhe para se sentar perto o suficiente para você poder alisar-lhe a barriga em toda sua incrível extensão. E, quando ela tiver de ir para casa, respire fundo e diga-lhe que a ama. Porque é verdade. E, quando ela se inclinar na sua direção e sussurrar a mesma coisa, abrace-a com força, porque essas não são palavras que vocês diriam em circunstâncias normais.
Faça seu irmão se sentar ao seu lado depois de chegar da escola e contar cada detalhe do seu dia, cada aula, cada conversa, inclusive o que comeu na cantina, até ele ficar tão entediado que implore para sair e ir jogar futebol com os amigos no parque.
Observe sua mãe tirar os sapatos e massagear os pés, porque seu novo emprego na livraria significa que ela tem de passar o dia inteiro em pé e ser educado com desconhecidos. Ria quando ela der um livro de presente ao seu pai porque tem um desconto e pode se dar ao luxo de ser generosa.
Veja seu pai beijar a bochecha dela. Repare em como sorriem. Saiba que, aconteça o que acontecer, eles são seus pais.
Ouça sua vizinha podar as rosas enquanto as sombras se espicham pelo gramado. Ela cantarola uma canção antiga, e você está debaixo do cobertor junto com seu namorado. Diga-lhe que sente orgulho dele, porque ele plantou aquele jardim e incentivou a mãe a cuidar das plantas.
Estude a Lua. Está bem próxima e rodeada por um halo cor-de-rosa. Seu namorado lhe diz que isso é uma ilusão de ótica, que ela só parece grande por causa do ângulo em relação à Terra.
Compare seu tamanho com o da Lua.
E à noite, quando você for levada novamente para o andar de cima e mais um dia terminar, recuse-se a deixar seu namorado dormir na cama de armar. Diga-lhe que quer ser abraçada e não tenha medo de ele não querer porque, se ele diz que sim, é porque a ama, e isso é tudo que importa. Entrelace suas pernas com as dele. Ouça-o dormir, ouça sua respiração suave.
E quando ouvir um ruído, como o vento batendo em uma pipa e chegando cada vez mais perto, como as pás de um moinho girando lentamente, diga:
– Ainda não, ainda não.
Continue respirando. Apenas siga fazendo isso. É fácil. Inspira, expira.”

Com amor,
Lu.

RECENT POSTS